segunda-feira, 14 de junho de 2010

Pernas pra que te quero...

Jogo, jogo, jogo. Torci Holanda, lastimei a perda de identidade de Camarões e, agora, neste intervalo, vejo-me inspirada por Itália e Paraguai. Sabe, detesto os preconceitos que relacionam mulher e futebol: sim, eu gosto; sim, eu vejo; sim, eu entendo. Sei bem que tem um montão de mulheres que não gosta, não vê, não entende. E daí? Outra coisa que me desagrada é a euforia cega e a lógica do ganhar não importa como. Pra mim, importa. Como em tudo mais na vida, acho importante ter valores, ter princípios. E eu, eu sempre fui governada pelo desejo e pela estética.

Mas, como estou numa onda paz&amor, resolvi relevar todos estes elementos. Assim, no espírito "viver a vida" (ai, ai), vou começar dando logo motivo para o avanço dos estereótipos. Fiz os top 10 da Copa. Não, não consegui colocar em uma ordem. O que vier, morre, diz minh'alma guerreira:

- Gourcuff (talvez seja mesmo o mais gato)
- Canavarro (Itália)
- Gerrard (God save the Queen)
- Jamie Carragher (mais um pouco da Inglaterra)
- Jonás Gutierrez (não tenho nada contra os hermanos)
- Gerard Piqué (ardor espanhol)
- Gilardino (que seleção, esta italiana!)
- Miguel Veloso (não podia faltar um representante lusitano)
- Serdar Tasci (novinho demais, mas estou liberal hoje)
- Daniel Agger (da terra de Hamlet)

Isso sem falar dos goleiros, que safra, meudeus! E quando eu digo que são gatos, não entendam só no sentido da elasticidade e dos exímios reflexos...Tem o Casillas (espanhol), Mariano Andajur (argentino), Cedric Carrasco (francês) e, claro, o mais goleiro dos goleiros desta estirpe: Júlio Cesar.

Daí entro no próximo item: como, aiaiai, chegamos a uma situação em que o melhor jogador do Brasil é o goleiro? Porque o Dunga é o técnico, ora, borboleta. Um Dunga infeliz e zangado, juntando mais anões do que deveria ser permitido a uma pessoa só. O louco do Maradona pelo menos levou seis atacantes. Pode não ganhar, mas vai ser bom de ver. O nosso levou seis volantes de contenção. Pode ganhar, mas que sono. O que não deu sono? O primeiro jogo da Alemanha...que surpresa! Além de lindos e loiros, souberam jogar com alegria, objetividade, até drible rolou! Delícia. E um placar elástico, pra lembrar quem é que manda: 4X0. Também me agradou a Holanda e suspeito que vai agradar cada vez mais até ser eliminada, como sempre. É isso aí, a Copa é a época do eterno retorno, por exemplo: A Holanda jogou como nunca, perdeu como sempre. Outro: é a época em que quem conhece menos, torce mais e quem conhece mais, torce menos. Não conheço tanto, mas é o suficiente pra torcer menos do que eu gostaria. Que venha a super Coreia do Norte...haja coração!

2 comentários:

Lica disse...

Que vergonha, você não deixou o "b" pra Dani, ela pediu tanto... gulosa!

Danielle disse...

Acho injusto! E se eu não postar ela não pode cobrar! :(